Buscar
  • Dr Rodolfo Weidmann

A Fibromialgia é uma Doença Ocupacional?

A Fibromialgia:

A Fibromialgia é uma síndrome dolorosa crônica que apresenta manifestações e múltiplos sistemas do organismo. O paciente com Fibromialgia apresenta uma amplificação da percepção da dor e desregulação da resposta ao estresse, assim como sintomas funcionais, como síndrome do intestino irritável, cistite intersticial e disfunção da articulação temporomandibular. O Fibromiálgico apresentará dores musculoesqueléticas generalizadas crônicas, fadiga, distúrbios do sono, alteração na memória, na atenção e na concentração e alterações no humor, como depressão e ansiedade. Lembrando que o diagnóstico de Fibromialgia é clínico, ou seja, não há exames complementares que fechem o diagnóstico, somente avaliação clínica. Exames podem ser solicitados, porém na busca de comorbidades associadas.


A Fibromialgia e o Trabalho:

Agora vamos pensar como a vida do paciente com Fibromialgia é impactada na presença de tantas manifestações. Como a rotina em seu meio familiar, esposo, filhos, afazeres domésticos são influenciados pela fibromialgia em atividade e como isso impacta, negativamente, na vida deste paciente. Faço agora uma nova pergunta: se a fibromialgia impacta tanto no núcleo familiar do paciente, ela irá também impactar no trabalho? SIM. Os sintomas da fibromialgia não estão restritos ao ambiente domiciliar, mas acompanham este paciente. Se há alteração na concentração do paciente em sua casa, haverá também no trabalho, no mercado ou ao caminhar na rua. Quando paciente apresenta dores intensas ao realizar atividades domésticas, elas também ocorrerão ao realizar sua atividade ocupacional. A fibromialgia impacta muito na vida do paciente em todas suas faces.


A Fibromialgia e doenças ocupacionais:

Porém não é por impactar na vida do paciente, que a fibromialgia é considerada uma doença ocupacional. O entendimento atual da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), assim como a literatura mundial sobre o tema é que a Fibromialgia não é uma doença ocupacional, nem leva a incapacidade permanente. Contudo é reconhecido que a Fibromialgia por ser uma síndrome dolorosa crônica, os pacientes fibromiálgicos estão sujeitos a limitações e até mesmo incapacidades temporárias, que será definido pelo médico perito. O papel do médico assistente, no caso o Reumatologista que é o médico especialista nos cuidados ao paciente fibromiálgico, é auxiliar a avaliação do médico perito com informações adicionais sobre grau atividade da doença, tratamentos farmacológicos e não-farmacológicos instituídos, adesão ao tratamento e comorbidades adicionais.


Como encarar a fibromialgia e sua atividade ocupacional:

A fibromialgia tem tratamento e esse também acaba sendo o foco para recuperação de desempenho ocupacional. O Reumatologista bate muito nesta tecla, pois com educação do paciente, atividades físicas, psicoterapia e medidas farmacológicas, em conjunto são capazes de controlar os sintomas dos pacientes, melhorar autoestima e desenvoltura tanto nas atividades cotidianas quanto laborais. O foco na Fibromialgia é o paciente compreender sua condição, levantar sua cabeça e ser uma voz ativa no tratamento. O Reumatologista deseja que, com tratamento específico, o paciente recupere sua qualidade de vida e capacidade funcional.



203 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo